Festa de Lançamento de Nevermind – 13 de Setembro de 1991

Festa de Lançamento de Nevermind – 13 de Setembro de 1991

No dia 13 de setembro de 1991 acontecia a festa de lançamento de Nevermind, no Re-bar de Seattle, WA. Saiba tudo o que aconteceu por lá:

O Local

re-bar-fachadaO Re-Bar era/é uma famosa e bizarra casa de shows de Seattle onde a programação vai desde sarau de poesia a shows de strip-tease. Localizado no nº 1114 da Howell St, desde a sua fundação em 1990, o Re-bar tem sido o anfitrião e o lar da diversão, incomum, artística e escandalosa. Um dos últimos redutos do indie theatre de Seattle, o Re-bar foi anunciado como uma faceta cultural crítica das cenas LGBT e Artsy da Cidade Esmeralda.

“Se você quer o verdadeiro sabor de Seattle, esqueça os passeios de balsa e vá ao Re-bar em qualquer noite para ver exatamente o que Seattle é. Este clube está cheio até a borda com descolados, malucos, geeks, artistas, gays, intelectuais, punks, roqueiros, ravers, clubbers… bem, apenas pessoas boas que mostram a diversidade única e atitude acolhedora da Cidade das Esmeraldas. O Re-bar é indiscutivelmente a âncora da cena de artes alternativas de Seattle apresentando um monte de obras de artistas locais, teatro e performances de comédia com noites de dança. O Re-bar reúne todas as raças, todas as habilidades, todos os gêneros, todas as crenças espirituais, todas as nacionalidades, todos os seres amorosos.”

Em 1991, assim como as bandas de Seattle, o Re-Bar se tornou muito popular e, naturalmente atraiu a atenção de quem pretendia organizar algum evento na cidade. Se por um lado a DGC queria aproveitar a popularidade do clube para fazer ali a festa de lançamento de Nevermind, por outro, os proprietários do Re-Bar ficaram muito horados em ceder o local.
Inicialmente a festa deveria acontecer no Bobs Java Jive, em Tacoma onde, junto com Olympia, se concentrava a maior parte dos amigos do Nirvana. Mas devido aos “problemas de mobilidade urbana” da cidade, tudo acabou acontecendo em Seattle.

A Festa de lançamento de Nevermind

Às seis horas da tarde da sexta-feira, 13 de Setembro de 1991, se iniciava a tão esperada festa de lançamento de Nevermind. Um evento que Kurt Cobain aguardara sua vida inteira (“Bleach” não teve nenhuma comemoração desse tipo). A festa era somente para convidados e os convites enviados à eles diziam:

flyer 13-09“Nevermind Triskaidekaphobia, Here’s Nirvana”
Na sexta-feira 13, junte-se ao Nirvana e à DGC Records para uma festa de lançamento em homenagem ao álbum de estréia do Nirvana, Nevermind. Comida, bebidas, brindes que você pode querer levar para casa, algumas surpresas, pessoas para conhecer, a banda para cumprimentar… Mas não importa, a parte importante é a música. Ouça Nevermind na sua totalidade e alto!”

O “Nevermind Triskaidekaphobia” ou “Esqueça o azar do 13” se referia ao medo da sexta-feira 13, mas verdadeiramente assustador era o quanto o clube estava lotado de músicos, repórteres musicais, funcionários das lojas de discos locais, DJs de rádio e outros poderosos membros da indústria. Era a chance de Kurt encaçapar a glória depois de ter finalmente conquistado Seattle, embora ele parecesse incomodado com toda a atenção.

A banda foi informada de que seria um evento discreto e que poderiam convidar seus amigos. Mas quando chegaram, encontraram as paredes do clube repletas de cartazes do Nirvana e tiveram que “fazer sala” para todo tipo de figurão do showbiz enquanto ouviam seu álbum ser tocado várias vezes seguidas. No início, Kurt, Krist e Dave foram amigáveis, assinaram cópias do disco e falaram muito bem de seu novo álbum. No final da noite, no entanto, a festa se transformou em um caos típico do Nirvana.

O Nirvana é expulso da própria festa

A representante da DGC na região noroeste, Susie Tennant, era a anfitriã da festa de lançamento de Nevermind. Ela se encarregou de levar dois barris de cerveja e comida que seriam distribuídos de graça aos convidados. O cofundador da Sub Pop, Bruce Pavitt, foi escalado como DJ. Pavitt já havia tocado Nevermind repetidamente quando os membros do Nirvana imploraram para que ele parasse e, em vez disso, tocasse um pouco de trashy disco e new wave. O proprietário do Re-Bar, Steve Wells, lembra:

“Tudo correu muito bem por cerca de duas horas, mas depois notei que Kurt, Krist, Dave e outros continuavam indo até a cabine do DJ, e obviamente estavam ficando muito mais bêbados… Muito mais do que a cerveja de graça os deixaria. Então, a cerveja acabou e as coisas começaram a ficar meio turbulentas. Eu não sei se isso era porque as pessoas estavam chateadas que tinham que começar a pagar por suas cervejas, mas o clima definitivamente mudou e os caras iam para a cabine do DJ cada vez com mais frequência. Percebemos que os carros do WSLCB se aproximaram do estacionamento do outro lado da rua. Os faróis ligados apontavam para a porta da frente. Eu fiquei assustado, subi na cabine do DJ e encontrei Bruce e seus amigos mexendo em uma meia garrafa, acho que de Jack Daniels… a garrafa grande, conhecida como ‘Handle’. As garrafas vazias cobriam o chão.”

Não há nada de errado em se embebedar em uma festa. O problema é que o estado de Washington tem estranhas leis relacionadas a bebidas alcoólicas. O Re-Bar por exemplo, apesar de ser um bar, não podia vender o que lá eles chamam de “hard liquor” (bebida destilada) se estivessem servindo comida na mesma festa. Dançar e beber no mesmo estabelecimento também é proibido por lei. A bebida destilada que se consumia dentro do Re-Bar, entrou lá de forma ilegal. De acordo com Carrie Montgomery (a irmã de Craig Montgomery, o “soundman” do Nirvana), não demorou muito para que ela e Kurt estivessem com uma garrafa de gim Seagram no cato da sala principal do Re-Bar.

Os “carros do WSLCB” aos quais Steve Wells se referia, eram do Washington State Liquor and Cannabis Board, uma agência do Estado de Washington responsável pelo licenciamento de estabelecimentos e locais que vendem qualquer tipo de bebida alcoólica e pela aplicação das leis estaduais de álcool, tabaco e cannabis. Como o Re-Bar não estava licenciado a vender bebidas destiladas naquela noite, uma batida da WSLCB lhes traria sérios problemas. Alem da contravenção, o que deixou Wells com raiva foi ver uma “vitima inocente” no meio da bagunça:

“Na semana da festa, eu estava querendo uma nova instalação artística em torno da pista de dança. Contratei o incrível artista de Seattle, Carl Smool, para pendurar fantásticas peças de tecido que ele fez, longos e multicoloridos. O Museu de Arte de Seattle era o dono deles e nos emprestou por um mês e, naturalmente, esperavam que eles fossem devolvidos em boas condições.”

Muitos dizem que logo após a banda terminar de rasgar todos os cartazes das paredes, Kurt jogou molho Ranch Dressing em Dylan Carlson e Krist Novoselic, que responderam com uma salva de guacamole. “Logo a comida estava voando por toda parte, sem respeito pelos ‘geeks’ da indústria, cujos ternos estavam sendo salpicados”, disse Michael Azzerad no livro “Come As You Are”. Vendo a “vítima”, a obra de Carl Smool, sendo atingida pela comida, Wells ficou totalmente louco e assustado com a situação. “Juntei eles, incluindo Bruce e, com a ajuda dos seguranças, os joguei porta afora, bem a tempo de todos eles vomitarem na calçada.”

“O vestido Yate que eu tinha acabado de receber da Basic estava com molho de cebola por toda a parte”, disse Carrie. “Foi muito divertido. Barris vazios estavam sendo rolados pelo chão. Até que finalmente, nos pediram para sair”, contou Kim Warnick (baixista do Fastbacks) as gargalhadas. “Nós estávamos rindo, dizendo ‘Oh meu Deus, acabamos de ser expulsos de nossa própria festa de lançamento!”, lembrou Krist.

Logo os agentes da WSLCB se aproximaram com suas lanternas e declararam que a festa estava encerrada. Acenderam-se as luzes e todos foram mandados para fora do Re-Bar. O Nirvana ainda ficou um tempo no beco ao lado do bar, rindo e conversando através de uma janela com seus amigos que ainda estavam lá dentro. Em seguida, entraram em uma limusine com destino a casa que Susie Tennant tinha alugado para a noite. Eles foram se divertir mais perto do loft de Jeff Ross (responsável por fazer muitas das camisetas do Nirvana). Alguns extintores de incêndio ainda seriam disparados, ovos seriam atirados nos carros da vizinhança e CDs seriam destruídos no forno microondas antes que a “sede de destruição” da banda e amigos fosse saciada.

Na manhã seguinte, quando a festa de lançamento de Nevermind finalmente acabou, Kurt usava o vestido florido, verde e branco de Susie, batom vermelho e dormia sob um poster de Patti Smith. Dave Grohl usava um vestido de bolinhas.

Fotos da Festa de lançamento de Nevermind

Curiosidades

  • A primeira aparição que se tem noticia do famoso smile do Nirvana foi no flyer da festa de lançamento de Nevermind.
  • Por causa da bagunça e da guerra de comida promovida pela banda na festa no Re-Bar, o dono do local, Steve Wells os “amaldiçoou”, dizendo que Nevermind “NÃO IRIA VENDER NADA”. O álbum ganhou o disco de diamante (10 milhões de cópias vendidas) em março de 1999 e até 2011 já tinha alcançado a marca dos 30 milhões de cópias vendidas pelo mundo.

"Boddah"

Fã de Nirvana desde a primeira vez que o peso de "Bleach" entrou por meus ouvidos. Antes de tudo, um curioso insaciável. Pesquiso para aprender, escrevo para compartilhar o que aprendi."A curiosidade matou o gato, mas a satisfação o trouxe de volta!"
Fechar Menu