Nirvana na Tower Records – 28 de Setembro de 1991

Nirvana na Tower Records – 28 de Setembro de 1991

No dia 28 de Setembro de 1991 acontecia uma uma rara sessão acústica de autógrafos do Nirvana na Tower Records, em New York, NY. É possivel que esta apresentação tenha acontecido no dia 27 – de acordo com Jonathas Formagio (LiveNirvana) – mas em qualquer lugar que você procurar, ela é datada do dia 28. Assim sendo (até que a duvida seja sanada de vez), vamos de acordo com o que dizem livros como “Nirvana – The Biography” de Everett True e “Heavier Than Heaven” de Charles R. Cross.

Tower Records

A Tower Records era uma cadeia de lojas norte-americana que operava no varejo vendendo DVDs, CDs, vídeos, videogames e livros. Em 1960, Russell Solomon abriu a primeira loja da Tower Records na Watt Avenue, em Sacramento, Califórnia. Em 1976, Solomon abriu a Tower Books, Posters and Plants na 1600 Broadway, ao lado da Tower Records. Sete anos após a sua fundação, a Tower Records expandiu-se para São Francisco, abrindo uma loja no que era originalmente uma mercearia na Bay Street e na Columbus Avenue.

Em 1979, a Tower Records Japão iniciou seus negócios como a filial japonesa da MTS Incorporated. A rede eventualmente se expandiu internacionalmente para incluir lojas no Reino Unido, Canadá, Hong Kong, Taiwan, Cingapura, Coréia do Sul, Tailândia, Malásia, Filipinas, Irlanda, Israel, Emirados Árabes Unidos, México, Colômbia, Equador e Argentina.

Na cidade de Nova York, a Tower Records operava um conjunto de lojas na Broadway e nas proximidades da Broadway, no East Village. A loja principal, localizada na esquina sudeste de East 4th Street e Broadway, consistia em quatro níveis, vendia itens mainstream e era famosa nos anos 80 por vender álbuns de bandas novas da Europa ainda não populares nos Estados Unidos.

A Tower Records entrou na bancarrota pela primeira vez em 2004. Os fatores citados foram a pesada dívida incorrida durante sua expansão agressiva nos anos 90, a crescente concorrência dos descontos em massa e da pirataria na Internet. Má gestão, incompetência gerencial e restrições incapacitantes do primeiro acordo de falência também contribuíram para o fim da Tower. Em fevereiro de 2004, a dívida foi estimada entre US $ 80 milhões e US $ 100 milhões, e os ativos totalizaram pouco mais de US $ 100 milhões.

Nirvana na Tower Records loja

Em 20 de agosto de 2006, a Tower Records entrou na bancarrota pela segunda vez, a fim de facilitar a compra da empresa antes da temporada de compras de fim de ano. Em 6 de outubro de 2006, o Great American Group ganhou um leilão de ativos da empresa e iniciou um processo de liquidação no dia seguinte. Isso incluiu vendas de empresas em todos os locais da US Tower Records, a última delas encerrada em 22 de dezembro de 2006. O site da Tower Records foi vendido separadamente.

A Caiman Inc., reabriu o site de Montreal, Quebec, em 1 de junho de 2007. Esta empresa também anunciou planos de reabrir as lojas – abrindo lojas em Los Angeles, Nova York e São Francisco nos próximos nove meses. Contrataram o comprador anterior da Tower, Kevin Hawkins para ajudar com a reabertura. Hawkins, no entanto, junto com o ex-funcionário da Tower, George Scarlett, deixou a Caiman. Em 2009, Richard Flynn foi contratado como presidente. O site permaneceu em Montreal, mas o relançamento da marca nunca avançou. Atualmente, o site apresenta apenas o logotipo da marca com a mensagem “…algumas coisas não devem passar”.

Nirvana na Tower Records

No sábado, 28 de setembro de 1991 o Nirvana fazia essa rara sessão de autógrafos com uma breve apresentação acústica para divulgar seu segundo álbum, Nevermind, lançado à quatro dias.

Krist Novoselic tocou seu baixo Gibson RD, Dave Grohl usou apenas algumas partes da bateria (tons não foram usados e aparentemente nem o bumbo) enquanto Kurt Cobain tocava um violão Ibanez left-handed alugado.

A banda havia deixado claro que eles não estavam muito interessados em tocar e deliberadamente não o fizeram com muita “vontade”. Isso desagradou alguns funcionários da loja, levando-os a gritar insultos para a banda. Mas como ninguém xinga o Nirvana e sai ileso… Kurt começou a atirar Oreos (biscoito recheado) das bandejas que foram servidas para os fãs presentes (Charles Cross diz em “Heavier Than Heaven” que os biscoitos eram de um expectador que os carregava em um saco de supermercado e que Kurt os surrupiara para comer e atirar nos reclamões).

Não existe nenhum registro conhecido dessa sessão, apenas em fotos. Kurt Cobain supostamente gravou o show em um Boombox. Mas até hoje nada foi divulgado.

Entre as musicas tocadas naquela tarde estariam “Jesus Wants Me For A Sunbeam”, “About A Girl”, “Polly”, “Dumb”, “Pennyroyal Tea”, “Been A Son”, “Something In The Way” e “Negative Creep”.

Fotos – Nirvana na Tower Records

"Boddah"

Fã de Nirvana desde a primeira vez que o peso de "Bleach" entrou por meus ouvidos. Antes de tudo, um curioso insaciável. Pesquiso para aprender, escrevo para compartilhar o que aprendi."A curiosidade matou o gato, mas a satisfação o trouxe de volta!"
Fechar Menu