Nirvana no Les Foufounes Électriques – 21 de Setembro de 1991

Nirvana no Les Foufounes Électriques – 21 de Setembro de 1991

No dia 21 de setembro de 1991 aconteceu o show do Nirvana no Les Foufounes Électriques. Era o segundo show da banda no Canada divulgando Nevermind. Confira tudo o que rolou por lá, há exatos 27 anos:

Les Foufounes Électriques

Localizado na 87 Saint Catherine Street East, o Les Foufounes Électriques é um clube e local de concertos da cidade de Montreal, província de Quebec, Canadá. Ele foi inaugurado em 1983 por Norman Boileau, François Gourd e Bernard Paquet, no bairro conhecido como o Quartier Latin, agora parte do bairro de entretenimento Quartier des Spectacles. O nome “Les Foufounes Électriques” traduzido literalmente do francês (língua oficial de Quebec) significa “As Nádegas Elétricas”. De acordo com um artigo de 2008 que apareceu no The Guardian, o nome se originou dos “hábitos de seus fundadores de exibir seus traseiros pintados em televisores antigos”.

foufounes

O “Foufs”, como é conhecido pelos moradores locais, se tornou um centro de música underground, arte underground e cultura em Montreal. É o mais antigo clube de rock alternativo da cidade. Durante os anos 80, o clube se tornou um centro para as subculturas góticas e punk de Montreal, no entanto, o clube também abrigou muitas variedades de estilos underground e alternativos de música, incluindo new wave, reggae, ska, industrial, hip-hop e grunge.
Entre os artistas e bandas mais famosas que já tocaram no “Foufs” estão Queens of the Stone Age, Green Day, The Dickies, William S. Burroughs e é claro, o Nirvana.

Nirvana no Les Foufounes Électriques

No sábado, dia 21 de setembro de 1991 acontecia o show do Nirvana no Les Foufounes Électriques. Era o segundo da tour de Nevermind e também o segundo da banda no local, eles haviam tocado por lá em 17 de abril de 1990. Horas antes do show, Kurt Cobain, Krist Novoselic e Dave Grohl concederam uma entrevista ao canal MusiquePlus. O ex-advogado Marc Coiteux era o entrevistador.

Marc Coiteux

“Desde o início do MusiquePlus em 1986, o canal deixou uma marca indelével na cultura musical de Quebec. O MusiquePlus foi o primeiro canal de língua francesa do mundo dedicado à música e o pioneiro entre as estações de televisão especializadas da região. O MusiquePlus ajudou a impulsionar um número significativo de talentos locais e internacionais, além de proporcionar um trampolim para muitos apresentadores que se dedicaram às instalações de televisão e rádio. O MusiquePlus continua a incorporar o estilo de vida de uma geração – em sintonia com o seu público fiel, através de uma interação constante através do MusiquePlus.com e da sua presença na mídia local” – MusiquePlus

Coiteux lembra que apesar de já terem ouvido falar do Nirvana no MusiquePlus, a cena de Manchester no Reino Unido ainda era o maior faturamento da época. O Nirvana havia vendido apenas trinta mil cópias de seu primeiro álbum; eles ainda eram desconhecidos. Três dias antes da entrevista, o canal recebeu o vídeo “Smells Like Teen Spirit” e Coiteux recebeu uma fita de Nevermind da gravadora apenas um dia antes. Junto da fita estava uma folha de papel azul com dois parágrafos descrevendo o lançamento. Era uma “biografia” muito menos extensa que as recebidas de qualquer outra banda entrevistada pelo MusiquePlus“Se voltarmos àquele tempo, não havia internet, então era muito difícil obter informações sobre os grupos. Não tínhamos o Google para pesquisar sobre eles. O Nirvana ainda não era conhecido”, lembrou Marc Coiteux.

Passei pelo Les Foufounes Électriques e um cara da gravadora chamou Cobain e disse: “Ei, você quer fazer uma entrevista?” Kurt respondeu: “Foda-se, não”. O que eu podia fazer? Eu estava indo embora, mas os membros da banda mudaram de ideia, ou foram persuadidos à isso. Foi uma entrevista estranha; Eu tive que tentar conhecê-los melhor na hora. Krist estava brincando, Dave estava no fundo e Kut era… Kurt. O total dos dois anos e meio que se seguiram foi afetado pela maneira como ele se comportou aqui – brilhante, ainda que sombrio; educado, mas hostil. Em determinado momento ele até disse a Krist: “Estamos evitando a pergunta, o que você estava dizendo…?”

Das 2000 entrevistas que fiz na minha vida, essa é uma das menos interessantes. Se o Nirvana não tivesse tido a carreira que tiveram depois, eu nem me lembraria dessa entrevista hoje. Mas estou um pouco ‘cheio’ disso. Não há um mês sem alguém me falar sobre isso!

Marc Coiteux, agora diretor de TV e colaborador de rádio da Radio-Canada, confessa que nem mesmo ficou para ver o Nirvana tocar naquela noite. “O concerto no Les Foufounes Électriques não estava nem cheio. Eu não fiquei para o show depois da entrevista”. Confira a entrevista do Nirvana no Les Foufounes Électriques para o canal MusiquePlus:

Nirvana no Les Foufounes Électriques – O Show

O show do Nirvana no Les Foufounes Électriques durou cerca de 54 minutos e  tinha basicamente o mesmo setilist do show do dia anterior, no The Opera House. No Les Foufounes Électriques, “Territorial Pissings” e “Pennyroyal Tea” foram retiradas do set, enquanto “Stain” e “Scoff” foram adicionadas.

O DJ do Les Foufounes Électriques na época, Sylvain Houde, era responsável por acolher o Nirvana, levá-los para comer, negociar entrevistas etc… Sylvain lembra que apesar de a banda já ter fãs por lá, o clube não estava cheio. Havia cerca de 300 pessoas no local. Todos que assistiram ao show lembram do incrível final: “Eu estava na cabina do DJ, que dava de frente para o palco e já estava me preparando para colocar música depois do show”, diz Sylvain. “De repente, Kurt sobe as escadas, entra na cabine, me empurra um pouco e atravessa a janela para alcançar a estrutura logo acima do palco. E de lá, Kurt saltou em Dave Grohl!”

“A bateria desmoronou completamente e Dave bateu a cabeça na parede de tijolos atrás dele”, continua Sylvain. “Vamos dizer que não havia nenhuma possível recordação depois disso! E foi premeditado pela parte de Kurt. Ele estudou o lugar durante a passagem de som”, disse Houde, rindo.

Outra lembrança de Sylvain Houde, porém nada engraçada, é de ter visto seringas no chão do Les Foufounes Électriques depois do show. Apesar de possivelmente ser mais uma daquelas “histórias que o povo conta” e não ter ligação com Kurt e o Nirvana, ele afirma: “Vimos seringas após o show; não é um mito. Em suma, não havia apenas futuros heróis no local, mas também heroína”.

Confira o show:

Depois do show, a banda ainda concedeu uma entrevista conduzida por fãs, alunos do Dawnson College. Buzz Osborne, dos The Melvins (banda que abriu o show) também participou:

Curiosidade

A mesa de som que foi usada na noite do show do Nirvana no Les Foufounes Électriques, está exposta no Le Musée du Rock’n’Roll, de Montréal. Na foto abaixo, Patrice Caron, cofundador e diretor geral do museu. Foto de Annie-Soleil Proteau:

Fotos Nirvana no Les Foufounes Électriques

"Boddah"

Fã de Nirvana desde a primeira vez que o peso de "Bleach" entrou por meus ouvidos. Antes de tudo, um curioso insaciável. Pesquiso para aprender, escrevo para compartilhar o que aprendi."A curiosidade matou o gato, mas a satisfação o trouxe de volta!"
Fechar Menu